quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Prezados colegas e amigos da SBPRP:

Finda 2016!, um ano muito trabalhoso para todos nós, seja como brasileiros de um país em contínuas e renovadas crises políticas, econômicas e sociais, seja como psicanalistas em nosso ofício cotidiano, o qual, por sua própria natureza, é inerentemente crucial, mas em tempos em que a realidade externa corrobora as mais trágicas fantasias do mundo interno, redobram os esforços do nosso ofício.

Há poucos dias, outra perda: foi-se o poeta Ferreira Gullar. Mas poetas, e quem sabe a gente um pouquinho também, podem permanecer um pouco mais. Ferreira nos deixou um poema, que tomo emprestado para homenagear a todos os membros e funcionários da nossa Sociedade:

Ano Novo 
  
Meia noite. Fim 
de um ano, início 
de outro. Olho o céu: 
nenhum indício.

Olho o céu: 
o abismo vence o 
olhar. O mesmo 
espantoso silêncio 
da Via-Láctea feito 
um ectoplasma 
sobre a minha cabeça: 
nada ali indica 
que um ano novo começa.

E não começa 
nem no céu nem no chão 
do planeta: 
começa no coração.

Começa como a esperança 
de vida melhor 
que entre os astros 
não se escuta 
nem se vê 
nem pode haver: 
que isso é coisa de homem 
esse bicho 
estelar 
que sonha 
(e luta)


Ferreira Gullar. Toda poesia. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1997.

Desejamos que a poesia, embalada pelos significados natalinos, possa renovar nossas Esperanças e Vitalidades! Neste ano complexo, vemos que elas permaneceram vivas em nosso meio, a SBPRP, e evidências não faltam: com muita paixão, quase todos nossos membros estão envolvidos trabalhando em inúmeras comissões, comprometidos com o futuro da nossa ciência e da nossa instituição. É bonito de se ver! Ganhamos até um evento internacional para realizarmos, o BION 2018, e uma nova identidade visual, que chega bem pertinho do Natal, como se fosse um presente de Papai Noel para todos nós. E em breve ganharemos um novo Site e um novo Boletim Interno, que serão lindos como a nova logo e úteis em nossa interação democrática. 

Dessa maneira, aproveitamos a oportunidade para mostrar a todos vocês um pouco do trabalho que temos feito e deixar aqui um presente de Natal. Esta é a nova logo da SBPRP, que será aplicada em todas nossas mídias em janeiro:



Esperamos que gostem! Está aqui também o link com as fotos da nossa festa de confraternização, realizada neste fim de ano: goo.gl/fPPcBF
 
Então, nossos votos para 2017 são pela continuidade dessa onda criativa de “sonho e luta”! Desejamos que o “bicho estelar homem”, nós, os membros da SBPRP, possamos expandir nosso “coração” significativo e fazer crescer o nosso quintal, a SBPRP.

Nossos sinceros agradecimentos a todos, e votos de que a experiência emocional do NATAL e do ANO NOVO em cada um, assim como em nossos familiares e amados, seja plena!

Um grande abraço, em meu nome e em nome de todo o Conselho Diretor da SBPRP!

Paulo de Moraes M. Ribeiro 
PRESIDENTE DA SBPRP

terça-feira, 27 de dezembro de 2016


quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Após um ano repleto de realizações, a SBPRP deseja a todos vocês um ótimo Natal!


quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

No último dia 4, tivemos a triste notícia de que José Ribamar Ferreira, bem mais conhecido por seu pseudônimo Ferreira Gullar, havia falecido. Aos 86 anos, carregava consigo uma história e tanto, repleta de poesias e reflexões inspiradoras. 
Imagem: divulgação
Fundador da revista A Ilha, a qual lançou o pós-modernismo no Maranhão, estado em que nasceu, Gullar ingressou no mundo da poesia para nunca mais sair. Mais tarde, participou do movimento de poesia concreta no Rio e se mostrou um poeta inovador, o que o levou a criar o neoconcretismo, movimento que ia contra o concretismo ortodoxo em busca de subjetividade e expressão. 

Mas nada parecia comportar a necessidade de Gullar, de fazer uma poesia livre de amarras. Por isso, aos poucos se afastou do grupo com o qual fundara o neoconcretismo e passou a envolver-se com o Centro Popular de Cultura (CPC) ainda no começo dos anos 60. O CPC era uma organização da União Nacional dos Estudantes (UNE), um grupo de intelectuais de esquerda, que tinha como objetivo criar e divulgar uma "arte popular revolucionária". Com a ditadura militar, o CPC se desfez e Gullar, militante do Partido Comunista Brasileiro, decidiu se exilar na União Soviética, no Chile e na Argentina. 

Em 1977, Gullar voltou ao Brasil e após o fim da ditadura ganhou diversos prêmios, dentre eles o Jabuti em 2011 com o livro de poesia Em alguma parte alguma.

Em homenagem a este grande poeta, Ana Márcia Vasconcelos de Paula Rodrigues, membro associado da SBPRP e atual diretora administrativa da Sociedade, escreveu o seguinte artigo:


Para homenagear Ferreira Gullar, face à sua morte, escolho duas poesias extraídas do livro Barulhos (1980-1987), que, na verdade, ressoam como finas melodias em sintonia com as verdades humanas mais íntimas. 

A primeira, Despedida, oportunamente nos oferece vitalidade imaginativa para anunciar o momento da cesura da morte, que somente pode ser concebida enquanto o poeta está ferozmente ligado à vida. 

DESPEDIDA

Eu deixarei o mundo com fúria
Não importa o que aparentemente aconteça,
Se docemente me retiro.

De fato
Nesse momento
Estarão de mim se arrebentando
Raízes tão fundas
Quanto estes céus brasileiros.

Num alarido de gente e ventania
Olhos que amei
Rostos amigos tardes e verões vividos
Estarão gritando a meus ouvidos
Para que eu fique
Para que eu fique.

Não chorarei.
Não há soluço maior que despedir-se da vida.

A segunda poesia é uma declaração de amor ao menino-homem com o psiquismo essencial que o define por Detrás do rosto, mas que não pode jamais existir senão de forma encorpada. O poeta canta a beleza do amor e da intimidade através da unidade corpo-mente e de um ato amoroso, poucas vezes descrito com tanta ternura. Assim opõe-se à cisão corpo-mente, tantas vezes proclamada.

DETRÁS DO ROSTO

Acho que mais me imagino
Do que sou
Ou o que sou não cabe
No que consigo ser
E apenas arde
Detrás desta máscara morena
Que já foi rosto de menino.

Conduzo
Sob minha pele
Uma fogueira de um metro e setenta de altura.

Não quero assustar ninguém.
Mas se todos escondem no sorriso
Na palavra medida
Devo dizer
Que o poeta Gullar é uma criança
Que não consegue morrer
E que pode
A qualquer momento
Desintegrar-se em soluços.

Você vai rir se lhe disser
Que estou cheio de flor e passarinho
Que nada
Do que amei na vida se acabou
E mal consigo andar
Tanto isso pesa.

Pode você calcular quantas toneladas de luz
Comporta
Um simples roçar de mãos?
Ou o doce penetrar
Na mulher amorosa?

Só disponho de meu corpo
Para operar o milagre
Esse milagre
Que a vida traz
E zás
Dissipa às gargalhadas.

Obrigada Poeta por sua generosa sensibilidade a nos alertar que "a vida é pouca e louca, mas nada há senão ela."

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÃO AO EXAME DE SELEÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PSICANALISTAS DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE PSICANÁLISE DE RIBEIRÃO PRETO - SBPRP

A SOCIEDADE BRASILEIRA DE PSICANÁLISE DE RIBEIRÃO PRETO, CNPJ 00259.760/0001-18, entidade componente da Associação Internacional de Psicanálise (IPA) e da Federação Brasileira de Psicanálise (FEBRAPSI), vem comunicar aos interessados que as inscrições para o exame de seleção para ocuparem até 18 vagas à formação de psicanalistas pelo seu Instituto de Psicanálise estarão abertas do dia 16 de Janeiro de 2017 a 14 de Fevereiro de 2017.

A inscrição é facultada a médicos e psicólogos graduados há pelo menos 04 (quatro) anos. Casos excepcionais de profissionais de outras áreas serão analisados individualmente pela Comissão de Ensino da SBPRP.

Os documentos exigidos para a inscrição são os seguintes:

(16 cópias de cada documento)

1. “Curriculum Vitae” atualizado;

2. Autobiografia do candidato, especificando os motivos que o levaram a optar pela formação psicanalítica;

3. Xerox do comprovante de registro no Conselho Regional Profissional;

4. 03 (três) fotos 3x4 recentes;

5. Requerimento de inscrição (a ser fornecido pela Secretaria da SBPRP) devidamente assinado.

O exame de seleção é dividido em duas fases. A primeira delas, cujo resultado será divulgado até 10 de Abril de 2017, consiste na seleção dos inscritos por intermédio da análise dos currículos e autobiografias apresentados. Os aprovados passarão à segunda fase, que consiste em entrevista pessoal feita por uma Comissão de Seleção composta por 3 (três) membros da SBPRP, que deverá ser feita até 15 de Junho de 2017, com resultados divulgados até 10 de Agosto de 2017. Os aprovados classificados deverão manifestar interesse na ocupação de vaga, por escrito, junto à secretaria da SBPRP, até 20 de Agosto de 2017.

Taxas de Inscrição:

Primeira fase – R$ 600,00.

Segunda fase (somente para os aprovados na primeira fase) – R$ 1.100,00.

As inscrições deverão ser feitas na Secretaria da SBPRP, à Rua Ércole Verri, 230, nesta cidade, de segunda à sexta-feira, das 09:00 às 17:00 horas. Este Edital será divulgado no site da SBPRP (www.sbprp.org.br) e em jornal de grande circulação de Ribeirão Preto e região.

Ribeirão Preto, novembro de 2016.

Dr. Paulo de Moraes Mendonça Ribeiro,

Presidente da SBPRP

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Este mês, completam-se 37 anos da morte do psicanalista Wilfred Bion (1897-1979). Em homenagem a ele, Fátima Cassis, membro associado da SBPRP, escreveu o artigo abaixo.

Aproveitamos a oportunidade para comunicar, com muito orgulho, que a Sociedade Brasileira de Psicanálise de Ribeirão Preto foi escolhida para sediar e organizar o evento internacional Bion 2018, o qual será realizado em julho de 2018 e reunirá pensadores e psicanalistas do mundo todo em Ribeirão Preto. Em breve, mais informações.
Imagem: reprodução
Wilfred R. Bion nasceu dia 8 de setembro de 1897 em Muttra, no Pengab, província indiana anexada à colônia inglesa em 1849. Como era costume cultural, aos 8 anos foi estudar na Grã-Bretanha, permanecendo na Public School até seu término. Aos 18 anos, alistou-se nas forças armadas britânicas em 1916, atuando na Primeira Grande Guerra, com distinção, atingindo a patente de capitão.

Após a guerra, seguiu para a Universidade de Oxford, licenciando-se em Letras. Tornara-se nesta época um jovem professor, envolto em proezas esportivas e militares e dono de uma vasta cultura, com conhecimentos profundos em história moderna, estudos avançados de linguística e das línguas grega e latina, além de ser leitor apaixonado dos clássicos de literatura, Shakespeare em especial. Foi nesta época que teve o primeiro contato com a psicanálise, através de um livro de Freud, trazido por um de seus amigos.

Ficou fascinado por suas ideias e profundamente estimulado a cursar medicina, concluindo o curso aos 33 anos de idade. Obteve medalha de ouro em cirurgia, mas foi a prática psiquiátrica, e depois a psicanálise iniciada na Tavistock Clinic, em Londres, que lhe encantou. Foi analisando de J. Rickmann e posteriormente, após a II Guerra, iniciou sua análise didática com Melanie Klein.

Produziu cinquenta títulos por um período de 40 anos, “reexaminando as coisas a partir de seus começos e descobriu um novo caminho para a psicanálise” (Bléandonu, 1990). Passou das teorias psicanalíticas para a teoria da observação, um incremento na atividade analítica, aumentando a chance de a pessoa “tornar-se mais ela mesma”. Sua obra tornou a psicanálise mais complexa, mas também mais humanista, dando destaque à pessoa do analista na tarefa de psicoanalisar. Segundo ele, “o analista vale não tanto pelo que sabe e diz, mas muito mais pelo que realmente é”.

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

A SBPRP apresenta:

Evento de lançamento da Revista Berggasse 19 Vol. VII, nº 1 
Dia: 03 de dezembro de 2016, sábado, às 10h30

Local: Anfiteatro da SBPRP

Palestra “O Erotismo em Merleau-Ponty”, com o Prof. Dr. Reinaldo Furlan

Este número apresenta artigos de palestrantes da IV Bienal de Psicanálise e Cultura “Psicanálise e Tecnologia Diálogos Possíveis” realizada durante os dias 19 à 21 de Maio de 2016


Seguem dois resumos dos artigos presentes:

1. Cultura no ambiente tecnológico - Reinaldo Furlan.

Resumo

O artigo se divide em três partes. Na primeira, procurei desdobrar algumas questões pertinentes aos termos do enunciado “cultura no ambiente tecnológico”, ou estabelecer um campo prévio de significados para a sua discussão. Na segunda parte, introduzo dois termos que me parecem necessários para essa discussão: o advento da modernidade e do capitalismo, para contextualizar, ainda que de forma breve, a situação atual de globalização com as novas tecnologias de informação e comunicação. Na terceira parte, destaco algumas questões que me parecem importantes para uma discussão mais específica do tema, privilegiando a questão do consumo nas sociedades modernas contemporâneas. Concluo procurando articular, através da noção de desejo, as principais noções desenvolvidas nas três partes. Ou seja, vida, tecnologia, desejo e mundo (primeira parte), modernidade, capitalismo e consumo (segunda parte), consumo, política e cultura (terceira parte). Em particular, destaco as noções de pulsão, desejo e sublimação, atreladas à noção de imagem presente no uso das novas tecnologias de informação e comunicação.

Palavras-chave: cultura; sociedade tecnológica; capitalismo cultural; desejo e mundo contemporâneo; novas tecnologias de informação e comunicação.

2. Ambientes digitais e imagens, uma presença virtual constante - Anette Blaya Luz.

Resumo
Reflexões sobre a influência das mídias digitais no processo de subjetivação do indivíduo, a repercussão disso nos relacionamentos humanos, na constituição da identidade e uso destas ferramentas digitais na clínica psicanalítica contemporânea.

Palavras–chave: mídias digitais, subjetivação, clínica psicanalítica contemporânea

Popular Posts

Loading...
Subscribe to RSS Feed Follow me on Twitter!