sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

“SONHAÇÕES”
Encontro Preparatório para o XXV Congresso Brasileiro de Psicanálise
SONHO/ATO: A Representação e seus Limites
12 E 13 JUNHO DE 2015

Local: Hotel Stream Palace – Ribeirão Preto

Conheça os palestrantes:

Alice Ruiz nasceu em Curitiba(PR), em 1946. O contato com a literatura aconteceu logo cedo: aos 9 anos Alice já escrevia contos e, aos 16, versos. Dez anos depois publicou alguns poemas em jornais e revistas culturais e, aos 34, publicou seu primeiro livro.
Conheceu o poeta Paulo Leminski, com quem se casou, em 1968. Foi Leminski que mostrou que Alice escrevia haikais, abrindo-lhe espaço para pesquisar sobre a forma poética japonesa, que a autora estudou e, inclusive, traduziu livros de autores japoneses.
Do casamento também surgiu uma outra parceria. Alice e Leminski integraram o grupo musical “A chave”. Foi nesse período que Alice escreveu sua primeira letra de música, em parceria com o marido.
Hoje em dia, Alice tem mais de 50 músicas gravadas por parceiros e intérpretes, tendo lançado seu primeiro CD, “Paralelas”, em 2005. Além disso, a autora já publicou 15 livros, entre poesia, traduções e até história infantil.
Com Leminski, Alice teve três filhos: Miguel Ângelo Leminski, Áurea Alice Leminski e Estrela Ruiz Leminski. Estrela segue os passos dos pais e já publicou um livro, “Cupido: Cuspido e Escarrado”.
Os escritos de Alice lhe renderam vários prêmios, como o Jabuti de Poesia, de 1989, pelo livro “Vice Versos”.
Sempre produzindo, a autora participou dos projetos: Arte Postal, pela Arte Pau Brasil; Poesia em Out-Door, Arte na Rua II; Poesia em Out-Door, 100 anos da Av. Paulista; XVII Bienal, arte em Vídeo Texto.
(fonte: pensador.uol.com.br)
Um exemplo de haicai* da autora, tendo Ribeirão Preto como tema:

“Ribeirão Preto
onde se ouve
cheiro de vagalumes”

*O poeta de haikai é chamado de haijin. Exaltando a natureza, as estações do ano e impermanência da vida, ele retratar um momento que se transforma em uma experiência verdadeira e única. A forma espontânea e a originalidade também são preceitos fundamentais na feitura de um haikai. Outra característica forte é seu aspecto imagético.
Na descrição dessa experiência, o eu do poeta permanece oculto, ou melhor; deve aparecer sutilmente, dando mais importância para o objeto retratado. (Valdir Peyceré, fotógrafo, produtor cultural e poeta)

Para saber mais:

Em breve será apresentado um novo convidado do evento “Sonhações”!!

0 comentários:

Postar um comentário

Popular Posts

Loading...
Subscribe to RSS Feed Follow me on Twitter!