quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

          Ser contemporâneo: Medo e Paixão




A finalidade do Evento Preparatório, como o nome já  diz, é  nos  prepararmos para o XXIV Congresso Brasileiro de Psicanálise que ocorrerá de 25 a 28 de setembro na cidade de Campo Grande-MS. Desejamos que funcione como uma espécie de aquecimento, um “esquenta”, numa linguagem bem jovem e atual. Intencionamos pensar e discutir sobre o tema do congresso desse ano: Ser contemporâneo, Medo e Paixão. Também, desejamos que esse evento preparatório estimule os colegas a produzirem trabalhos e a participarem do congresso. O tema do congresso desse ano foi inspirado na obra de Freud Totem e Tabu: uma homenagem em comemoração aos 100 anos de sua publicação e um estímulo a retomar, como a obra se propõe, o percurso desde um tempo mítico até o tempo atual, extremos do espectro mental que transitamos ininterruptamente.

Marion Minerbo estará conosco no evento preparatório e falará sobre Ser e Sofrer, Hoje. Seu texto agrega as qualidades acessível e complexo. Nele revemos conceitos como Modernidade e Pós-Modernidade e “suas” diferentes formas de sofrimento psíquico: um sofrer neurótico e outro não neurótico. O texto nos leva a pensar na relação entre o enfraquecimento dos sólidos símbolos da Modernidade  - tais como as instituições Família, Educação, Religião, Política, e, micro instituições como psique materna e família edipiana, dentre outras -  e a  depleção simbólica dessas instituições provocando uma carência de referências identitárias. Tal carência é o substrato para o surgimento de novas formas de sofrimento psíquico. O Mal estar na Civilização Contemporânea ligado à fragilidade do símbolo é um sofrimento existencial consubstancial com a forma de subjetividade de nossa época, é uma forma de ser:  são as formas de sofrer necessariamente consubstanciais à forma de ser. Por um lado, as pessoas se vêem livres para se “reinventarem”. Por outro, “reinventar-se” a partir de “si mesmo” é uma tarefa solitária que faz brotar angústia, muitas vezes arrebatadora. Olhando essa nova forma de ser dentro de um espectro, vemos desde um sofrimento psíquico relacionado ao plano existencial de cada indivíduo chegando até à psicopatologia. Nesse último extremo encontramos formas de sofrimento ligadas à experiência do vazio, da falta de sentido e do tédio existencial, e, às vezes, até como recurso para tamponamento da experiência do vazio, as atuações dos mais variados tipos, através das quais a violência pulsional permeia as relações intersubjetivas.

A crise das Instituições no Pós-modernismo infiltra e opacifica nossas certezas, nossas verdades absolutas. Tudo é relativo e tenta-se a construção da própria identidade apoiando-se nesse solo movediço. Alguns conseguem e outros não, experimentando-se perdidos e sem rumo. Diferente da depressão, experiência na qual o sujeito sofre e perde a esperança de realizar o seu desejo, nesse solo movediço o sujeito pode descobrir-se sem desejos. No lugar da experiência de tristeza pela perda surge a experiência do vazio. Quando nesta, na experiência do vazio, o sujeito clama por novas  abordagens clínicas que implicam em tecer com, cotecer algum sentido onde ainda não há, e, portanto, num analista compromissado em ser não “apenas” um intérprete, mas um  outro-sujeito, um co-autor dentro da relação que acontece.

Marta Dominguez Sotelino
Membro Filiado da SBPRP


Gostou das ideias e quer participar? Clique aqui!

O Pré- Congresso será realizado em 13 de Abril, na cidade de Ribeirão Preto. Saiba mais!

0 comentários:

Postar um comentário

Popular Posts

Loading...
Subscribe to RSS Feed Follow me on Twitter!