terça-feira, 15 de outubro de 2013

Por Silvana Andrade

Em seu mais longo depoimento, no dia 20 de outubro de 1976, gravado no Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro Clarice Lispector conta que desde a infância, mesmo antes de aprender a ler tinha o hábito de brincar com as palavras e contar histórias:

“Antes de aprender a ler e escrever eu já fabulava. Inclusive, eu inventei com uma amiga minha, meio passiva, uma história que não acabava. Era o ideal, uma história que não acabasse nunca. (...) A história era assim: eu começava, tudo estava muito difícil; os dois mortos... Então entrava ela e dizia que não estavam tão mortos assim. Assim recomeçava tudo outra vez... Depois, quando aprendi a ler, devorava os livros, e pensava que eles eram como árvore, como bicho, coisa que nasce. Não sabia que havia um autor por trás de tudo. Lá pelas tantas eu descobri que era assim e disse: ‘ Isso eu também quero.”

In: Clarice Lispector – Outros Escritos, pag. 139.


A vida de Clarice também será abordada durante o evento de Psicanálise & Literatura – Clarice Lispector: Inquietações do inacessível realizado pela SBPRP no próximo dia 19 de outubro.

Se você se interessou pela temática, clique AQUI e garanta a sua inscrição. As vagas são limitadas.

0 comentários:

Postar um comentário

Popular Posts

Loading...
Subscribe to RSS Feed Follow me on Twitter!